“Móveis em Madeira Reutilizada” – Museu da Casa Brasileira 2010

Com o uso de madeira de demolição, o designer Carlos Motta fez as 25 peças da mostra “Móveis em madeira reutilizada”,  que aconteceu no Museu da Casa Brasileira (entre os dia 9 de Junho e 04 de Julho, 2010), instituição vinculada à Secretaria de Estado da Cultura. “São peças independentes, desenhadas sem pressão da grande correnteza”, diz o designer, que na ocasião lançou o livro “Carlos Motta e a Vida”, pela Editora Bei. Depois, a mostra foi para a Galeria Espasso, em Nova York, onde entrou em cartaz no dia 14 de setembro.

“Grande parte do que venho desenhando é para ser produzido com essa madeira de redescobrimento, rediscovered wood. É assim que é conhecida por aí no mundão. Reaproveitar, fazer novo uso do material”, explica Carlos Motta. “Na mostra, fica clara a responsabilidade ambiental e social, como pré-requisito de primeira grandeza para a realização do bom design. Sabemos quanto está desgastada a palavra sustentabilidade, porém isto é o que buscamos, esta é a meta da humanidade”.

Esse conjunto de peças feitas sem pré-requisitos de um cliente revela a simplicidade construtiva e o respeito à madeira recolhida em demolições e a ser reaproveitada. Algumas são peças únicas, outras podem ser repetidas em pequenas quantidades.

“Limpa-se a viga. Retira-se tudo o que é metal, na maioria são pregos e parafusos”, ensina Carlos Motta. “Mesmo estando limpa, a entrada desta madeira dentro da oficina de marcenaria representa uma carga horária maior para ser preparada, para ser maquinada, ou lixada, pois são madeiras muito rústicas”.

Segundo ele, o mercado de madeira de demolição mudou muito nos últimos anos. Atualmente até comercializa a matéria-prima no mercado internacional. Era um material pouco procurado, e muito barato alguns anos atrás. “Hoje, considerado sofisticado, correto, amigo, vale muito.”

A madeira de demolição já cumpriu importantes funções: ofereceu qualidade física, mecânica, técnica, e estética em construções, engenharia, arquitetura. “Longeva, essa provável viga de madeira ainda é bela e cheia de saúde”, acrescenta Carlos Motta. “Com este nobre material fizemos uma série de móveis, cujo objetivo é ficar evidenciado através da estética, da técnica construtiva e da ergonomia, a possibilidade de se realizar peças de qualidade, reutilizando-se material, no caso madeira e ferro”.

O livro “Carlos Motta e a Vida” tem concepção e projeto editorial de Paulo Lima, e concepção e projeto gráfico de Rafic Farah, pela Bei Editora. Como diz o próprio título, a abrangência vai além do design de móveis e da arquitetura, passando pela família, pelos amigos, pelo surf e por tudo aquilo que junto ao trabalho formam uma unidade, que é a vida de Carlos Motta.

Convite da Exposição no Museu da Casa Brasileira, SP

Convite da Exposição no Museu da Casa Brasileira, SP

  • Convite da Exposição no Museu da Casa Brasileira, SP
  • Entrada principal
  • Publico geral
  • Sofá Voador lado
  • Carlos, Luiz Pastore, Carolina e Lu Pimenta
  • Poltrona Taguaiba perfil
  • Carlos e Jose Zaragoza
  • Mesa Baixa Sumaré
  • Carlos e Guto Lacaz
  • Mesa Baixa Jaraguá lado
  • Carlos e Jorge da Cunha Lima
  • Banco Mandacaru
  • Carlos e Cesar Giobbi
  • Poltrona Radar, Escrivaninha Horizonte e Luminária DWind
  • Sibylla, Carlos e Alfredo Pimenta
  • Banco Butantã
  • Mesa SFX e Luminária Foguete
  • Layla Motta e Carlos
  • Aparador Bola
  • Carlos e Carlos Junqueira
  • Escrivaninha Horizonte
  • Carlos e Diego
  • Paulo Lima, Rafic Farah, Carlos Motta e Sibylla
  • Amigos do surf
  • Circe, Gregorio Gruber e Sibylla