7 de novembro, 2012

Relançamento de clássicos da Linha Atelier

Comecei meu trabalho com design em 1975. Me formei em arquitetura em 1976, e no mesmo ano mudei para Santa Cruz, na Califórnia para estudar marcenaria e técnicas construtivas.

Em 78 volto para São Paulo e vou direto para o bairro da Vila Madalena, que em 75 já havia me acolhido generosamente. Inicio a minha empresa Atelier Carlos Motta.

Durante longo tempo naveguei solitário nessa deliciosa profissão de desenhar e executar móveis de madeira, sofisticados, bem acabados e com responsabilidades ambiental e social.

Num fim de tarde de Outubro de 88, voltando do meu Atelier para casa, parei e desci da minha bicicleta para reparar em um novo estabelecimento em Pinheiros. Era um belo galpão, recheado de móveis e objetos de madeira, maravilhosos.

Percebi que ali estava um novo e forte concorrente, fazendo móveis e objetos impecáveis, de bom gosto.

Fiz questão de entrar e conhecer a pessoa responsável por toda aquela beleza e qualidade.

– Prazer, Etel.

Foi amizade imediata. E mais do que isso, a certeza que um dia faríamos alguma coisa juntos.

Isso foi em 1988, hoje em 2012 estamos lançando o resultado de nossa parceria.

A Etel com sua impecável equipe, irá produzir grande parte de uma de minhas linhas de móveis, a Linha Atelier.

A Linha Atelier é formada na sua grande maioria por cadeiras e poltronas. São peças enxutas, sofisticadas e com grande qualidade ergonômica, construtiva e estética.

São peças clássicas, não entra em moda, não sai de moda. São peças utilitárias desenhadas para responder aos mais diversos pedidos, como a Cadeira Estrela para a exposição no Museu de Arte Moderno de Salvador (1979), a Cadeira Layla, para minha mulher amamentar minha filha (1988), a Poltrona Luna desenhada para o Palácio da Alvorada em Brasília, a pedido do escritório de Oscar Niemeyer (1990), e por aí vai.

Etel e eu nunca fomos concorrentes. Pelo contrario. Sempre estamos atualizando nossos assuntos, tentando buscar soluções coerentes entre o trabalho e nosso planeta.

Confesso que fiquei bastante enciumado de ver minha cadeira sendo produzida em outro lugar, mas também confesso que estou muito feliz de ver as peças sendo feitas com o mesmo carinho, o mesmo respeito e mais do que tudo, com a mesma responsabilidade ambiental e social.

Viva Etel! Boa sorte pra gente!

                    

                    

Comentários

  1. guilherme disse:

    Carlos, meus parabéns!

    Acho que este é mais um desafio com grande beleza, que é colocado para o público entender as boas coisas do design. Penso que esse bom gosto não se tem de uma hora para outra, espero conhecer de perto a sua linha produzida pela Etel. Boa sorte!

  2. Vadim disse:

    A Estrela é fantástica, um dia um vou ter uma. Meu sonho de consumo.

Deixe um comentário

* Campos obrigatórios